Um pedido aos novos (ou como lidar com os ops do #wiccans)

Depois de 2 anos no #wiccans e mais de o dobro a estudar Paganismo e Cia., venho a reparar desde há muito tempo que a maneira de encarar esta crença e, mais que isso, quem percebe desta crença tem mudado radicalmente. "No meu tempo" a informação era escassa, os "Mestres" poucos ou nenhuns, e a comunidade inexistente. É dificil imaginar, mas há 5, 6, 7 anos atrás não havia ainda tantas casas esotéricas como MacDonalds, e tendiamos a considerar-nos algo clandestinos, secretos e especiais. Ainda hoje acho que o éramos.

Não desfazendo ninguem, o que se massifica estraga-se, e basicamente foi o que aconteceu à Wicca e, mais largamente, ao Paganismo. Quanto a isso, não há de facto rigorosamente nada a fazer, mas ainda assim gostaria de deixar um pedido. Um pedido muito simples.

PENSEM.

Vamos começar do inicio, e talvez com alguns exemplos. Recebo dezenas de e-mails por dia a fazerem-me perguntas básicas como "O que é Wicca?", de pessoas que dizem ter lido o Castelo todo. Pois. Isto é um belíssimo exemplo de alguém que nao fez o minimo de pesquisa, e que se acha no direito de exigir respostas de alguém, que, lá por ter uma pagina na net, tem de estar absolutamente disponivel para responder aos e-mails de pessoas que não querem ter trabalho. O que faço? Não respondo. Não passei meses da minha vida a pôr informação on-line para facilitar o trabalho daqueles que vieram depois de mim para estar a perder mais tempo com quem não esta para ler meia duzia de textos.

Isto é outra coisa que mudou radicalmente. A primeira pessoa que contactei na net com o intuito de esclarecer determinados pontos foi a Rafaela, cujo nick ja mudou umas 300 vezes entretanto, e que eu não vou divulgar, já ela neste momento tem bastante mais que fazer. Ora bem. Eu tive VERGONHA de contactar a Rapha antes de ter lido nao-sei-qtos sites e todos os livros que consegui comprar com o meu parco orçamento - não quis, de maneira nenhuma, parecer ignorante em frente a alguém que sabia do assunto.

Sabem que mais? Considero esta vergonha absolutamente saudavel. E por várias razões. A primeira é que me levou a procurar informação de várias fontes, e não só de uma - a Rapha. Considero isto absolutamente essencial no Paganismo, porque só assim nos apercebemos do que se adequa a nós e do que não se adequa. Para além disso, melhora a nossa cultura em geral sobre a religião que chamamos de nossa. A segunda razão é que, quando realmente nos contactam com uma pergunta válida, ganham imediatamente o nosso respeito e, provavelmente, a nossa amizade e a nossa vontade de ajudar. A longo prazo isto poderá fazer diferença ou não, mas existe muita gente na comunidade pagã on-line cuja amizade prezo e acho que qualquer pessoa prezará. E não lhes vão despertar o interesse de certeza a perguntar "Como posso tornar-me bruxa?".

Outro tópico que gostaria de abordar é também relativamente simples de entender; chama-se humildade. E aqui entra outro exemplo. Já perdi a conta das vezes que miudas de 14 anos me insultam e me chamam mentirosa porque o que lhes digo (quando digo alguma coisa) não é igual ao que acontece nos filmes/livros de ficção sobre o assunto. Ou seja, não só não pesquisam absolutamente nada (sendo a cultura delas sobre o assunto geralmente ter visto o The Craft e lido a Brida ou as Brumas de Avalon) como ainda se acham no direito de pensarem que são as maiores, que sabem mais que toda a gente, e que os ops do #wiccans têm a obrigação de lhes responder a perguntas imbecis. E quando não respondem como elas querem, pensam que têm o direito e a impunidade de insultar. Estão enganadas. No mais das vezes levam um ban (ou, em casos extremos, um akick) e ficam queimadas com os ops do canal. Nenhuma pergunta mais é respondida.

Chegando ao "PENSEM". Sinceramente, para aspiradores imbecis que engolem tudo sem raciocinarem ja basta a grande maioria dos esotericos brasileiros. Quantas vezes terei eu de explicar que livros como a Brida e as Brumas de Avalon são ficção? Quantas vezes terei eu de abanar alguem que esta convencidíssimo que a Magia é o que se vê no filme O Feitiço e o Practical Magic?

Será assim tão dificil, pessoas, raciocinarem um bocado antes de acreditarem em tudo o que vêm e em tudo o que lêm? Dará assim tanto trabalho cultivar uma dose absolutamente saudável de cepticismo face a tanta treta esotérica que hoje em dia prolifera por aí? Será assim tão complicado ser inteligente? Pensar nas coisas?

Parece que sim, e é uma pena. Porque nem eu nem ninguém tem respeito por pessoas que são idiotas a ponto de não perceberem que o que vem na Brida são metáforas. Que a recriação do Culto da Deusa nas Brumas não tem a mínima validade arqueologica e historica. Sim, são livros e filmes muito interessantes - mas também o é o Jurassic Park, e não acreditam que andam por aí uns dinossauros, pois não?

Façam um favor a vós mesmos e a quem vos atura - sejam minimamente racionais, desenvolvam o vosso racicínio e a vossa dose certa de cepticismo e não engulam algo só porque está num livro. Aprendam a distinguir fontes seguras de fontes idiotas (o Livros de S. Cipriano NÃO é uma boa fonte, por amor da Deusa). Aprendam a história da religião a que chamam vossa. Não achem que a fé tenha de ser cega para ser válida - esta é a forma mais perigosa de ter fé, porque não há qualquer processo cognitivo ligado a acreditar cegamente em algo. Pensem no que lêem, pensem no que acreditam, pensem principalmente no que dizem, e no que perguntam.

Tenham respeito por quem anda nisto há mais tempo que vocês - acreditem, haverá sempre alguem que sabe mais, que já leu mais, que já estudou mais. Aprendam com o que essas pessoas dizem, e, acima de tudo, respeitem-nas. Elas poderão tornar-se nos professores mais valiosos se o fizerem, e nos inimigos mais perigosos se fizerem o contrário.

Beijos e Bençãos

Belladonna