Planeta Tilde

January 16, 2022

~maria

Convite

Olá!

Queria convidar-te para a minha festa de aniversário, no dia 26 de fevereiro em minha casa às 11:00, termina às 17:00, vai ter churrasco (se o tempo ajudar) e outras atividades e também vai ter lanche, que vou ser eu a preparar.

E se tiverem tragam computador para jogar minecraft e o skate.

Peçam aos vossos pais para confirmarem a vossa presença ao meu pai :)

tags: aniversário, convite

by ~maria at January 16, 2022 05:26 PM

January 08, 2022

~marado

O Voto Eletrónico e o Solucionismo Tecnológico

"No estrangeiro, os portugueses votam principalmente por voto postal", diz a TSP, sublinhando que "este sistema já funcionava mal em vários países", mas que nas últimas eleições "não chegou praticamente nenhum voto da África do Sul", e que agora com a pandemia "o sistema postal está próximo do colapso em países tão evoluídos como o Reino Unido".

Então: nós que andamos nisto da democracia já há alguns aninhos, ainda não conseguimos fazer um sistema de voto por correspondência a funcionar decentemente. Um problema que tem, como solução, corrigir os problemas do sistema de voto postal, certo? Errado! Para a TSP - que aproveita para nos dar mais alguns detalhes sobre o que se passa com a proposta do voto electrónico remoto para as eleicões do CCP (agora sabemos que está a ser um trabalho conjunto do MAI, a AMA e o MNE) - a solução não é corrigir um sistema de fácil compreensão e tecnologia provada como o sistema de voto por correspondência, mas sim o voto eletrónico remoto.

Defendem que "Portugal é um país inovador e com técnicos de nível mundial, que podem produzir um sistema de voto eletrónico remoto seguro, testado e auditável", (sem dizer onde se basearam para fazer tal afirmação). Ficamos sem entender porque é que, se temos assim tão boas capacidades técnicas, como é que o voto por correspondência funciona tão mal - como é que não temos a morada certa dos eleitores, não sabemos explicar como se vota e nem sequer preparar boletins que caibam nos envelopes. Mas sim, vamos entregar-lhes a preparação de um sistema de voto electrónico, remoto, seguro, anónimo, fiável. O que pode correr mal?

tags: voto, electrónico, voto-electrónico, vote, e-vote, TSP, correspondência, voto-correspondência, PT

comentários? tweetar  

by ~marado at January 08, 2022 07:47 PM

January 02, 2022

~tcarrondo

Artigo de teste

sub-título

sub-sub-título

The rest of the text file is a Markdown blog post. The process will continue as soon as you exit your editor.

tags: keep-this-tag-format, tags-are-optional, beware-with-underscores-in-markdown, example

by ~tcarrondo at January 02, 2022 01:36 PM

December 31, 2021

~tcarrondo

December 10, 2021

N.S. do Computismo

November 29, 2021

N.S. do Computismo

October 27, 2021

N.S. do Computismo

October 09, 2021

~marado

Happy 20th birthday, ANSOL!

Today we celebrated the 20th anniversary of ANSOL, the Portuguese Free Software Association. It has been an honor to be part of the history of this still young association, and here's hope for an active 20 years more - I'll gladly celebrate its 40th!

Image of the round table where I've participated

In these past 20 years, ANSOL worked on many issues, but if I had to highlight 3, I'd point out:

But there are many more challenges ahead... and our victories aren't closed books.

So, what now? Well, there is plenty to do: we should ensure we don't loose the Freedoms we have achieved, and we should strive to get those we still didn't get.

There is plenty more to do, and you can help.

If you're in Portugal, join ANSOL. If you're in Europe, FSFE will appreciate your contribution. If you're in Latin America, here's your link. In India, join here. Based in North America, with worldwide mission, there's FSF.

Of course, as we could see in those who have joined ANSOL in today's celebration, there is plenty beyond the realm of software. Consider getting to know Wikimedia Portugal or the Wikimedia Foundation, Direitos Digitais in Portugal and EDRI in Europe or EFF overseas.

Let's shape the future, together.

tags: ANSOL, Free Software, Digital Rights, EN

comentários? tweetar  

by ~marado at October 09, 2021 07:12 PM

September 23, 2021

N.S. do Computismo

September 15, 2021

N.S. do Computismo

September 06, 2021

N.S. do Computismo

September 01, 2021

N.S. do Computismo

Technical Assistance

  1. The user clicks yes. They might read what they clicked yes to.
  2. The user doesn't usually read prompts
  3. The user will not read error messages, even if they are to their benefit.
  4. The user doesn't know how to "google" problems
  5. The user will sometimes even ignore IT professional help even when they call us. This is usually a "bitch session" with no clear resolution.
  6. You will tell the user what to do, and they will also say yes. They still don't understand.
  7. Users will install software and not understand how to remove said software (control panel/remove software).
  8. Users are not curious. What would be obvious to simple reading they will ignore.
  9. Only when the computing environment is unbearable, will they call in. Or it will be the simpleton user who wants you to do their work for them.
  • not sure what the original source is

September 01, 2021 10:20 AM

July 22, 2021

N.S. do Computismo

July 15, 2021

N.S. do Computismo

July 05, 2021

N.S. do Computismo

July 04, 2021

N.S. do Computismo

June 28, 2021

N.S. do Computismo

A Declaration of the Independence of Cyberspace

What Barlow forgot is that any declaration of independence should be followed by the creation of an army of clueless believers willing to die for the cause.

@ eff.org

June 28, 2021 10:20 AM

June 22, 2021

N.S. do Computismo

June 14, 2021

N.S. do Computismo

June 09, 2021

N.S. do Computismo

Code V2

book cover

«From the Preface: "This is a translation of an old book—indeed, in Internet time, it is a translation of an ancient text." That text is Lessig's "Code and Other Laws of Cyberspace." The second version of that book is "Code v2." The aim of Code v2 is to update the earlier work, making its argument more relevant to the current internet.»

more @ lessig.org

June 09, 2021 10:20 AM

May 31, 2021

~marado

Are Cassette tapes dead? (again)

Tired of reading people saying that one or another mature technology was dead, ten years ago I decided to act upon one of those claims (saying that cassette tapes were dead) and write a blog post, where, using the data available on Discogs, I made a graph showing the percentage of cassette releases related to all of the releases on that database.

That blog post had more success than I thought would have, with some people, once in a while, wondering how were things progressing (not only regarding the cassette tapes market on current days, but also the growth of discogs' database and its knowledge of past releases). I did update the graph a few times since the initial blog post, but today, to mark the 10th anniversary of the initial post, I decided to actually write a script that automatically generates such a graphic, and generate one of those graphs, once again.

And, guess what!, turns out cassette tapes aren't dead, or even dying.

graph showing the percentage of cassette tape releases

tags: discogs, stats, cassette, tape, compact cassette, music, data, software, music business, music market, en

comentários? tweetar  

by ~marado at May 31, 2021 10:22 PM

N.S. do Computismo

May 26, 2021

N.S. do Computismo

May 24, 2021

N.S. do Computismo

May 22, 2021

N.S. do Computismo

May 19, 2021

N.S. do Computismo

Out of Season

clear;while :;do echo $LINES $COLUMNS $(($RANDOM%$COLUMNS));sleep 0.1;done|gawk '{a[$3]=0;for(x in a) {o=a[x];a[x]=a[x]+1;printf "\033[%s;%sH ",o,x;printf "\033[%s;%sH*\033[0;0H",a[x],x;}}']]"]"}}'

May 19, 2021 10:20 AM

May 17, 2021

N.S. do Computismo

May 11, 2021

~marado

O manifesto das cebolas na era da transição digital

Ocorre-me com regularidade que eu escrevo demasidos comentários em redes sociais efémeras por natureza, ideais que rapidamente se perdem em eternos scrolls. Este é um texto que escrevi numa thread no twitter e que agora republico aqui, para mais fácil guardar para a posteridade.

Em 2012, a ANSOL - Associação Nacional para o Software Livre, lançou o seu manifesto do campo das cebolas. Aí criticava o esbanjar de dinheiros públicos na aquisição - frequentemente ilegal - de software.

A ESOP - Associação de Empresas de Software Open Source Portuguesas, fez de um desses contratos exemplo: levou a Câmara Municipal de Almada a tribunal e ganhou. Mas de que serve uma vitória, num caso, se a prática se mantém?

Em 2013, observaram um aumento de 143% no valor destes contratos ilegais. Tinha já, entretanto, entrado em funcionamento o mecanismo de pareceres prévios da AMA. Ainda assim...

Em 2017, numa investigação do Público, chega-se à conclusão que, neste aspecto, nada mudou para melhor. Diz-se, então, que esta prática "deveria merecer uma acção da Comissão Europeia." Hoje fala-se de transição digital, mas sobre isto nada foi feito.

Hoje lembrei-me disto, porque alguém reclamava deste contrato, em que o SNS gasta perto de 300 mil euro em licenças de Office 365. Dir-me-ão que o SNS, agora, não tem alternativa noutro fornecedor. Já estava previsto no manifesto da ANSOL:

"provavelmente dirão que não têm conhecimento de alternativas ou que têm conhecimento mas não têm capacidade para as implementar e gerir. Ou pior, dirão que devido às decisões que eles mesmo tomaram no passado - que os deixaram enredados num esparguete de dependências"

Mas, convém sublinhar, também diz o manifesto das cebolas, "quem paga somos nós", e há alternativa.

Estes milhões são nossos. Até quando estaremos dispostos a esbanjá-los assim?

tags: PT, ANSOL, ESOP, SNS, Microsoft, Licenças, Office-365, Office, manifesto, contratos, públicos, ilegais, contratos-públicos, contratos-ilegais, transição, digital, transição-digital

comentários? tweetar  

by ~marado at May 11, 2021 03:01 PM

Voto electrónico em Portugal - mais do que um problema técnico, um problema legal

O debate do voto electrónico tem décadas, mas, ainda que a investigação na área tenha apresentado evoluções, a discussão sobre a temática nem por isso. Pilotos atrás de pilotos, e tentativas de implementar o voto electrónico em Portugal vieram e falharam, mas pode-se sempre apontar o dedo a uma coisa: uma fraca implementação. Esse problema tem duas facetas: se, por um lado, aqueles que se opõe na generalidade ao voto electrónico têm uma forma fácil de apontar o dedo à má impementação e dizer "vêm?, não presta!", esse argumento acaba por não convencer aqueles que são a favor do voto electrónico, com o argumento de que "lá porque este foi mal feito, não quer dizer que não se possa fazer bem".

Também foi assim nas últimas Europeias, que em Portugal incluiram um piloto de voto de electrónico, que correu francamente mal - porque (adivinhe-se) tinha uma implementação má. Mas se a experiência serviu para alguma coisa, no que diz respeito à comunicação social e ao debate político, foi para por o tema outra vez na agenda política, e nunca se falou em portugal sobre o voto electrónico como hoje. Em vez que servir como prova de que o voto electrónico é uma má ideia, o exemplo serviu para aguçar apetites.

Mas, para o debate - se alguém o quiser efectivamente ter, e de forma séria - sobre a implementação de um sistema de voto electrónico em Portugal, o melhor contributo deste exemplo piloto que tivemos foi o post-mortem feito pela CNPD. O documento, que fez headlines nos jornais, e que demonstra que a implementação da solução usada era má, foi, mais uma vez, usado por vários como ponto de partida para dizer "a solução é má, mas podem haver boas." Contudo, parece-me, quem diz isso não olhou para o documento como um todo.

O parecer da CNPD é uma leitura no total interessante, mas há um segmento em particular que me parecem muito útil. Mas, para quem pensava que ia ler um artigo a falar blockchain ou de consenso bizantino... lamento. O excerto do parecer que me parece valer a pena destacar é o que demonstra que o problema do voto electrónico em Portugal é, mais do que um problema técnico, um problema legal. Não me refiro à parte que diz "qualquer solução precisa de ser legislada exaustivamente, o que não tem acontecido" (o que é verdade, mas é resolúvel apenas com a criação de mais legislação), mas sim à parte que diz:

a questão da transparência elencada no n.º 1 do artigo 5.º do RGPD tem de ser tida à luz da possibilidade de os titulares dos dados (leia-se "eleitores") poderem compreender, de forma completa (ainda que não exaustiva), como decorrem as operações de tratamento que incidem sobre os seus dados pessoais, entre as quais se encontra a votação.

É importante, porque declara que, à luz do RGPD (em vigor não só em Portugal mas nos diversos estados membros), obriga-se a que um sistema eleitoral - que por natureza lida com eleitores e seus votos - seja compreensível pela generalidade dos eleitores, coisa que não pode acontecer num sistema da complexidade exida por um sistema fiável de voto electrónico.

A CNPD aponta para o exemplo da Alemanha, em que este conflicto entre os sistemas de voto electrónico e a compreensão pelo cidadão comum do seu funcionamento foi levado ao seu Tribunal Constitucional, levando à decisão de não implementação de voto electrónico, mas não é só na Alemanha que esta questão precede o RGPD. No texto da associação D3 - Defesa dos Direitos Digitais - sobre o voto electrónico, escrito em antecipação às europeias - quando a última experiência de voto electrónico decorreu em Portugal - lê-se:

todo o cidadão deve poder compreender ele próprio o funcionamento do sistema eleitoral do país, qualquer que seja o sistema, por forma a ter suficiente confiança de que este está em conformidade com a lei. Uma solução digital será sempre uma solução demasiado complexa, mesmo para os eleitores mais esclarecidos, o que irá inevitavelmente trazer desconfiança ao processo legislativo e aos seus resultados por parte de quem tenha resultados inferiores ao que esperava.

Mas será assim? Bem, em Portugal existem vários actos eleitorais, cada um com a sua Legislação aplicável. Temos, por exemplo, na Lei Eleitoral dos Órgãos das Autarquias Locais (que rege as Autárquicas que em breve decorrerão em território nacional), o Artigo 52.º que diz:

Cabe à Comissão Nacional de Eleições promover, através de meios de comunicação social, públicos e privados, o esclarecimento objectivo dos cidadãos sobre o significado das eleições para a vida do País, sobre o processo eleitoral e sobre o processo de votação.

Terá a CNE os meios necessários para cumprir tal artigo - no que diz respeito ao esclarecimento objectivo sobre o processo eleitoral - se o processo for por via electrónica?

Em jeito de conclusão

Tem-se discutido cada vez mais sobre o voto electrónico em Portugal. Contudo, tem-se falado do tema como se ele fosse maioritariamente um desafio técnico, quando, a meu ver, os entraves são legislativos. Não estou a defender que o "direito ao esclarecimento" deve ser posto de parte, mas acredito que é aí que o debate se deve centrar. A legislação actualmente em vigor - tanto nacional como comunitária - defende esse direito ao esclarecimento, que é incompatível com um sistema de voto electrónico(1). Acredito que haja quem ache que ter voto electrónico é mais importante - mas então é esse o argumento que deve ser feito por quem assim o acha, em particular devendendo as alterações legislativas necessárias. Esse debate pode trazer algum fruto. O técnico, parece-me, está ao mesmo nível em 2021 que estava há duas décadas atrás, e assim continuará.


comentários? tweetar  

by ~marado at May 11, 2021 12:45 PM

N.S. do Computismo

May 08, 2021

N.S. do Computismo

May 06, 2021

N.S. do Computismo

April 30, 2021

N.S. do Computismo

April 26, 2021

N.S. do Computismo

April 19, 2021

N.S. do Computismo

April 15, 2021

N.S. do Computismo

April 07, 2021

N.S. do Computismo

What Have We Lost

from rc3 ccc conference

April 07, 2021 02:20 PM

March 26, 2021

N.S. do Computismo

Ted Nelson struggles with uncomprehending radio interviewer, 1979

Max Allen of CBC radio asks over and over how a computer could possibly be useful for thinking and visualizing. He absolutely does not get it.

March 26, 2021 11:20 AM

Steve Jobs Interview 1981-02-18

An interview with Steve Jobs filmed on 2/18/1981 about the future of Apple, Computers, the Home & Personal computer markets, video games, and more.

March 26, 2021 11:20 AM

March 25, 2021

N.S. do Computismo

March 23, 2021

N.S. do Computismo

March 19, 2021

N.S. do Computismo

March 17, 2021

N.S. do Computismo

March 15, 2021

N.S. do Computismo

Russia: Hidden chips 'launch spam attacks from irons'

"Cyber criminals are planting chips in electric irons and kettles to launch spam attacks, reports in Russia suggest."

disassembled iron

@bbc.com

March 15, 2021 11:20 AM

March 11, 2021

N.S. do Computismo

March 09, 2021

N.S. do Computismo

March 08, 2021

N.S. do Computismo

How to avoid talking to humans on the phone

Ordering a pizza in 1974

Ordering an haircut in 2018

March 08, 2021 12:20 PM

March 06, 2021

N.S. do Computismo

Attacks in the Wild

"We refer to these attacks as typographic attacks. We believe attacks such as those described above are far from simply an academic concern. By exploiting the model’s ability to read text robustly, we find that even photographs of hand-written text can often fool the model. Like the Adversarial Patch,22 this attack works in the wild; but unlike such attacks, it requires no more technology than pen and paper."

attacks in the wild

paper @ openai.com

March 06, 2021 10:20 AM

The Writer Automaton, Switzerland

A 240 year old doll that can write, a clockwork creation by Pierre Jaquet-Droz, a Swiss watchmaker. The doll is able to write any custom text up to 40 letters long

writer doll

@ chonday.com

March 06, 2021 10:20 AM